top of page

O repertório que alimenta a criatividade

Atualizado: 20 de out. de 2023

Reflexões sobre construção de repertório, para alimentar a criatividade.

blog-dri-ferreira-criatividade-repertório

O repertório que alimenta a criatividade - Reflexões sobre construção de repertório, para alimentar a criatividade.


Criar conteúdo com frequência é bem desgastante. A escolha da pauta é sempre um desafio: O que falar que já não falaram? Que abordagem trazer para algo já tão comentado?


Consultamos, então, o baú de ideias, até que algo minimamente interessante apareça e possa ser desenvolvido a tempo da próxima postagem. O problema é que às vezes parece que esse baú está vazio, ou que nada é bom o suficiente, nada se encaixa…


E agora?


Em segundos estamos minados de insegurança, achando que criar conteúdo não é pra gente e sim para pessoas mais criativas e interessantes. #quemnunca. Acontece que criatividade não é dom, é transpiração no esforço de concatenar várias informações.


O chamado repertório, formado por tudo aquilo que tivemos contato ao longo da vida.


O lugar e as pessoas que convivemos, o que lemos, vemos, ouvimos, sentimos, enfim, fica tudo salvo em algum lugar da nossa memória — e inconsciente — e pode ser resgatado para dar um toque pessoal a algum conteúdo. Importa então saber observar, anotar, focar pra ficar gravado.


Como uma árvore na floresta capaz de se alimentar pela rede subterrânea de raízes que a conecta com suas vizinhas-árvores. Podemos através da presença e observação nos nutrir de ambientes, relações, paisagens, caminhos que instigam e despertam novas ideias.


Há também a busca ativa por repertório, quando vamos tratar de um tema novo. Nesse caso, a fórmula ideal seria: tempo + variedade de fontes, coisas que nem sempre estão disponíveis — pelo menos não ao mesmo tempo. Um bom planejamento pode ajudar nesse sentido, permitindo a antecipação das pautas, o que dá mais fôlego para uma pesquisa mais ampla.


Amplitude útil para irmos além das referências “autoridades no assunto” — que muita gente já usou, analisou —, avançando para outras perspectivas do mesmo assunto, por outras fontes. Tentando encontrar um equilíbrio entre cânones e novas ideias para apresentar, pela diversidade de opiniões, a complexidade do assunto.


Falando em diversidade, lembre-se que essa não é só uma palavra bonita pra constar na pauta, mas para estar nas referências, em quem é entrevistado ou consultado para o conteúdo. Se for falar de racismo, ouça pessoas negras, se for falar de mulheres, ouça mulheres, e por aí vai.


 

Bom, tudo muito bonito, mas e, na prática? Não temos tempo, nem disposição, para pesquisar a fundo sobre tudo ou estar atento a uma variedade significativa de conteúdos para enriquecer satisfatoriamente nosso repertório — ou aquele baú de ideias.


E sim, quanto a isso não há mágica. Nos resta apenas aceitar essa realidade e focar no que é possível.


Normalmente escolhemos sobre o que queremos nos aprofundar, baseado em nossos gostos e interesses, ou temas relacionados ao nosso trabalho (clientes, demandas diversas que chegam). Afinal, é preciso sobreviver.


O ponto é que esse comportamento nos mantém dentro de algumas bolhas e — graças a ajuda não solicitada dos algoritmos — permanecemos nela pelo máximo de tempo possível.


Por isso, busco sempre alternativas para variar minhas referências. Compartilho aqui 3 delas:

  • Não desmereça seus gostos e interesses, não relacionados diretamente ao trabalho. É comum que nossos passatempos e curiosidades mais “inúteis” sejam deixadas de lado quando o objetivo é acumular repertório para a produção de conteúdo. Quando, na verdade, é desse interesse despretensioso que pode vir uma ideia, ou um toque pessoal para aquele conteúdo padrão.


  • Por mais difícil que possa ser, de vez em quando, ouça a opinião de alguém que você não concorda ou pesquise sobre um tema que você é contra. Conhecer um olhar totalmente diferente, e às vezes, quem sabe, absurdo, expandirá sua visão sobre o tema ao considerar todos os lados possíveis.


  • Se desfaça de preconceitos com conteúdos considerados populares demais. Vivemos em um país em que, ainda, a maior fonte de informação e cultura vem da televisão e do rádio (sim, nem todo brasileiro tem internet e muitos dos que tem, não é para o uso em livre demanda. Já se deu conta que não dá pra assistir a um filme, uma aula ou ouvir podcasts só com o plano de dados do celular? Pois é). Então, saber qual o tema da nova novela ou o que tem sido notícia nos programas de canais abertos, ajuda na compreensão dos interesses e pautas da nossa sociedade.

E vale lembrar que consciência social é fundamental para sermos responsáveis na hora de produzir conteúdo, mesmo que ele seja mais nichado.


 

Pra fechar, deixo uma pequena contribuição com dicas de últimas coisas que vi, li, e ouvi:

  • Vi: Documentário: Amor e Música — Fito Páez (El amor después del amor), Netflix.

Com roteiro baseado nas memórias do cantor e compositor argentino, o filme narra a vida do cantor desde a infância até a turnê do seu álbum de maior sucesso: El amor después del amor, que comemorou 30 anos do lançamento em 2022. Fito teve uma infância cercada pela música, amor e afeto, mas na fase adulta sai dos trilhos por conta de drogas, violência e traumas. Reencontrando-se por meio da sua arte, sua música e um novo amor.

  • Li: Livro: A Revolução das Plantas, um novo modelo para o futuro, do escritor Stefano Mancuso, publicado pela Editora UBU.

O que podemos aprender com as plantas? Muito mais coisas do que imaginamos, leia a resenha do livro aqui e se entregue a um novo universo de aprendizados.

  • Ouvi: Podcast: O Corre delas, com Luanda Vieira, no Spotfy, produção Obvious.

O podcast fala sobre trajetória profissional de mulheres, sem romantização, com os altos e baixos que toda carreir tem, sempre com convidadas inspiradoras.

O repertório que alimenta a criatividade

 

Faz sentido pra ti? Vamos trocar opiniões aqui nos comentários!


foto-dri-ferreira-site-profissional

Obrigada por ler, se você gostou compartilhe com seus amigos.

Sigo tentando liberar um texto novo todo mês. Se quiser, envie sugestões de pautas para os próximos meses.



23 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page