top of page

Millennials e a expectativa que não virou realidade

Atualizado: 20 de out. de 2023

A geração que cresceu na era da internet, tendo acesso a mais tecnologia, informação e educação do que todas as anteriores, tornou-se também uma promessa de sucesso.

blog-dri-ferreira-millennials-e-a-expectativa-que-nao-virou-realidade

Millennials e a expectativa que não virou realidade.


Os millennials cresceram em um período promissor, o que fortaleceu a ideia de que aos 30 já estariam profissional e pessoalmente resolvidos e estáveis.


Mas, a realidade foi completamente diferente. Entre os sonhadores e trabalhadores de 25 anos, chegaram aos 35 adultos cansados — mental e fisicamente — muitos já tendo sofrido um burnout e repensando sua carreira, descobrindo novos propósitos e objetivos.


E o que pode parecer uma crise existencial, nada mais é do que o reflexo de questões do nosso tempo.

Onde deveria(mos) estar agora?

Minha reflexão começa neste post certeiro da Obvious:

reproducao-instagram-obvicouscc

As afirmações dessa postagem são bastante complexas, eu sei, mas de maneira geral podemos dizer que antigamente importantes etapas da vida chegavam mais cedo: casamento, filhos, trabalho.


Se você é um millennial, provavelmente seus avós casaram por volta dos 15 anos, seus pais antes dos 20 anos. Em um período, pré-internet e tecnologia, em que era mais difícil ter acesso à educação e informação e com menos alternativas de estilo de vida.


O que tornava comum que aos 30, adultos já tivessem sua casa, mais de um filho e um emprego estável no qual, se tudo desse certo, ficariam até a aposentadoria. Porém, com a globalização, a era da informação e a internet o mundo mudou. A sociedade foi se transformando e casar e ter filhos já não era mais o principal objetivo. Surgiram novas possibilidades de trabalho e modos de vida, e muitos passaram a priorizar os estudos, experiências, o trabalho.


Contudo, atualmente muito tem se falado — em reportagens, estudos e pesquisas — sobre como os millennials, hoje na faixa de 30 a 40 anos, são a geração que “deu errado”, a “mais azarada”, a mais frustrada e com mais problemas de saúde mental.


Mas, por quê?


Primeiro, acho que estamos medindo o sucesso dos millennials com balizadores do passado. Uma geração que escolheu — na realidade e privilégios de cada um — priorizar os estudos, conhecer outras culturas, construir uma carreira (ou empreender) precisou, para isso, adiar outras conquistas.


Me parece natural, portanto, que a conquista de casa, carro e filhos, por exemplo, tenha ficado para mais tarde. Os marcadores de sucesso são outros, relacionados a experiências — profissionais e pessoais — e a aprendizagem, através de cursos formais ou vivências culturais, por exemplo.


Movimentos que também ressignificam a necessidade de aquisição de bens mais tradicionais, como casa e carro. Muitos, optam pela segurança de uma reserva financeira e morar de aluguel, andar de carro de aplicativo. São escolhas que puderam ser feitas porque haviam essas alternativas e as pessoas mais informações para ponderar e decidir.


Entretanto, na hora de analisar a realidade millennial, pesquisas e estudos geracionais sempre incluem o comparativo com padrões antigos, destacando como a geração demora mais para conquistar “marcos tradicionais da vida adulta” como comprar uma casa e carro.


Demonstrando que apesar de algumas evoluções, as métricas tradicionais se sobressaem, pois, são a linguagem universal. Afinal, existe outra forma de dizer que uma pessoa é bem sucedida, do que apontar que ela tem casa, carro, emprego e família? Para mim, talvez para você também, sim. Mas, para a sociedade em geral, esse segue sendo a melhor forma.


E apesar de essa ser uma das gerações mais abertas à diversidade, disposta a encarar problemas antigos como desigualdades sociais e de gênero. Ser empreendedora, criativa, adaptativa e resiliente. Ter também mais consciência do impacto dos seus hábitos no planeta, preocupada e engajada com questões de impacto global. Seu sucesso ainda é medido por meio do seu poder de consumo — afinal, mundo capitalista.


O que não significa que essa geração não esteja enfrentando problemas. Os dados sobre o quanto millennials sofrem de ansiedade e chegaram mais cedo a um burnout, por depositarem todas as fichas da realização pessoal no trabalho, são reais.

Por isso, trago um segundo ponto: precisamos considerar as expectativas versus a realidade enfrentada pelos Millennials. As diferenças entre gerações existem, por conta da mudança de contexto de uma pra outra.


Conforme explica o pesquisador de tendências Luiz Arruda, no podcast Bom dia Obvious: “cada geração é filha do seu tempo”, sofrendo influência do contexto social, cultural, econômico, político, conjunto de valores e moral do seu tempo.


Quando os millennials chegaram, na década de 90 e 00, vivíamos no Brasil um período de esperança, com a redemocratização e a estabilidade econômica com o Real. A promessa era de mais trabalho e acesso a oportunidades, principalmente com a chegada da internet e a criação de importantes programas governamentais de incentivo à educação (como Fies, Prouni, Ciências Sem Fronteiras, cotas raciais, entre outros).


Seus pais lhes disseram que seriam bem-sucedidos, eles tiveram amplo acesso à educação, em comparação com gerações anteriores, e havia um grande senso de conexão e de causar impacto", explica Jason Dorsey, pesquisador de perfis millennials, à BBC News Brasil.


E, apesar da calça de cintura baixa e a onda emo, os millennials cresceram podendo planejar o futuro e acreditar na realização de sonhos. Muitos — nos privilégios da sua realidade — sentiam poder conseguir alcançar seus objetivos, o momento era propício, havia mais oportunidades, era preciso “apenas” agarrá-las.


Expectativas altas foram criadas e quem pôde, entrou de cabeça nos estudos e no trabalho, na linha “trabalhe enquanto eles dormem”. Acreditando que assim, logo teriam uma carreira, estabilidade financeira e poderiam aproveitar a vida antes da aposentadoria.


Contudo, quem hoje está na faixa dos 30 – 40 anos sabe que a maioria desses sonhos ficaram para trás, ou continuam em processo de serem conquistados. E o que chegou, mais cedo do que se esperava, foram problemas de saúde mental, como burnout e crise de ansiedade, por tamanha dedicação ao trabalho.


A economia melhorou, mas depois piorou. O real chegou estabilizando a moeda e vivemos, sim, ondas de progresso, com mais oportunidades de emprego, acesso à cultura e educação. Mas, essa onda passou, veio a crise, não só econômica, mas também política. Tudo ficou instável, vivemos uma pandemia, o custo de vida aumentou, os salários estagnaram, a possibilidade de aposentadoria evaporou. Voltamos ao mapa da fome, vimos os índices de desmatamento aumentar e a crise climática piorar — só pra citar alguns fatores.


A internet trouxe, sim, algum avanço, mas não para todos. Ainda em 2023, século XXI, nem todos os brasileiros têm acesso à internet em livre demanda. E para quem pode estar conectado, conheceu também as fake news, influencers e coachs.


Na carreira, mesmo que formados e exercendo uma profissão, houve uma onda de questionamento sobre propósito e identificação. Reconhecendo que ter depositado no trabalho a principal fonte de realização e felicidade foi um erro e trouxe consequências.


O que complicou com a plataformização e pejotização do trabalho, que surgiram como alternativas mais flexíveis e autônomas, mas também trouxeram instabilidade, insegurança e jornadas mais longas. Situação que Jason Dorsey, explica em comparação a geração anterior:

“Nossas pesquisas mostram que eles não tinham expectativa de trabalhar em uma só empresa a vida toda, nem de ter o mesmo empregador para o resto da vida. (…) Então há uma sensação de empolgação e liberdade, a ideia de que 'posso criar minha própria carreira', mas, ao mesmo tempo, há a desvantagem: os empregadores podem não oferecer os mesmos benefícios de antes em seguridade, plano de saúde, etc. A responsabilidade disso acaba passando do empregador para o millennial. Em alguns casos isso funcionou bem; em outros, não”. Jason Dorsey, em entrevista à BBC News Brasil.


Portanto, o fato das expectativas estarem difíceis, e talvez ainda distantes de se tornarem realidade, não é exclusivamente uma questão individual. Mas, consequência de um contexto econômico e socialmente desafiador enfrentado por essa geração.


Mais realidade, menos expectativa


Talvez, no meio disso tudo, o desafio seja exercitar atitudes mais generosas consigo mesmo, reconhecendo e celebrando pequenas conquistas. Definindo para si novos balizadores de sucesso, como saber aproveitar o processo, valorizar os aprendizados e encontros do caminho.


Se é como dizem, os 30 são os novos 20 e ainda há muito tempo pra realizar, sem a pressão de estar atrasado e compreendendo que nem tudo está no nosso controle. Como propõe essa reflexão da Marcela Ceribelli, no livro Aurora, o despertar da mulher exausta.


“… acredito que quanto mais rigidamente lidamos com a vida, menos felizes vamos ser. Cada dia eu tenho mais certeza de que nosso ideal de futuro nos impede de ter uma vida minimamente plena. Por mais que o planejamento seja importante, precisamos deixar espaço para a impermanência”.

Millennials e a expectativa que não virou realidade

 

Faz sentido pra ti? Vamos trocar opiniões aqui nos comentários!

foto-dri-ferreira-site-profissional

Obrigada por ler, se você gostou compartilhe com seus amigos.

Sigo tentando liberar um texto novo todo mês. Se quiser, envie sugestões de pautas para os próximos meses.


Referências dessa news:

  • Livro: Aurora, o despertar da mulher exausta, de Marcela Ceribelli, editora Intrínseca.

  • Podcast Bom dia, Obvious, episódio: Millennials em fúria, com Luiz Arruda.

  • Instagram Obvious.

  • Matéria: O que deu errado com os millennials, geração que foi de ambiciosa a 'azarada'.


20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page